Entrevista com Paulo Kanashiro

2020-12-10 16:12:33










PAULO 


KANASHIRO








                                      CHIKEN KOGYO KABUSHIKIGAISHA                                                                                                    KARYA/AICHI

                                               Seishain desde Abril de 2019 








PERFIL PESSOAL

 Nascido em 1979 (showa 54) Brasileiro, Residente Hekinan - Achi


Português, e japonês 


Solteiro, ama viajar o mundo, já conheceu a europa, sudeste asiático e apaixonado pelo Japão.






PROPÓSITO NO JAPÃO

Metade da família mora no Brasil, e a outra metade no Japão. Vim ao Japão aos 10 anos de idade em 1991 com a família. 


ADAPTAÇÃO NO JAPÃO

Aos 10 anos de idade, a adaptação na escola japonesa foi um desagio sem falar o idioma. Foquei no aprendizado do idioma e na adaptaçõ da cultura. Houve uma professora especial que levou os poucos estrangeiros da escola em tour por pontos culturais na cidade de Hekinan e auxiliou muito no ensino do idioma. Sempre morei em Hekinan em AIchi, amo a cidade.   





EMPREGOS ANTERIORES

Aos 15 anos de idade entrei em uma turma experimental em horário noturno, e por indicação da própria escola comecei a trabalhar em uma firma de cobertores em Hekinan, durante o dia. A empresa faliu após 6 meses de trabalho e em outra indicação da escola, trabalhei na fábrica de auto-peças sob o contrato de estudante. Ao me formar, trabalhei como Shain na empresa durante 25 anos.  


EMPREGO DE CARREIRA

Nunca trabalhei como Haken, e minha percepção sendo Shain é de que emprego de haken mina as oportunidades de crescimento e oportunidades sendo um desperdício de tempo. O funcionário Haken é visto como número, e usado apenas temporariamente, sendo facilmente descartado e substituído, criando dependência por parte do funcionário, não havendo possibilidade de evolução.Trabalhando na Chiken Kogyo, viaja para diversos lugares espalhados pelo Japão de acordo com a obra, e tem as mesmas responsabilidades e mesmo benefícios de outros funcionários Shain.
A estabilidade e segurança foi visível durante a pandemia. E a diferença em receber o salário mensal e receber por hora é muito grande. A cada 3 meses e meio temos feriado no Japão, e quem recebe por hora, tende a ter a queda de salário a cada feriado o que torna mais difícil administrar as finanças.
Como gosta de interagir com pessoas e de viajar o japão à trabalho, e recebe da empresa, investimentos em sua qualificação.  





ESTUDO DO IDIOMA

Parei de estudar o idioma após a escola, aguarda turmas mais avançadas no curso para retomar os estudos.


PERSPECTIVAS PARA O FUTURO 

Pensa em viver sempre no Japão, e galgar novos cargos dentro da empresa. 






      Entrevista fornecida para Projeto Integra em 30 de Novembro de 2020






Autor: Pamela Kanoko